Pular para o conteúdo principal

Sex and the City é motivo de tanta piada?




Sou fã assumida de Sex and the City. Assisto uma maratona cada 2 anos desde que a descobri em 2011.

Considerada uma boa série em seus mais gloriosos dias, hoje é lembrada como motivo de piada pelos personagens caricatos e vidas superficiais.

É certo que a série tem seus defeitos (falta de pluralidade étnica de atores, estilos de vida irreais, problemas superficiais). Poderia escrever páginas inteiras sobre os defeitos da série e seus personagens caricatos, a superficialidade dos problemas, a falta de desenvolvimento dos personagens e como Carrie Bradshaw é uma das piores amigas ever. Porém assumi o desafio de defendê-la pois acredito que tem seus méritos e seguem meus argumentos.

Embora hoje seja vista com desdém, foi ela quem abriu caminho para a discussão da liberalidade sexual das mulheres na televisão.

Sex and the City foi uma das primeiras séries a trazer protagonistas femininas e independentes, donas de seu corpo. Trouxe uma protagonista mais humana. Carrie também foi amante, brigou com a amiga porque esta não queria lhe emprestar dinheiro (mesmo sabendo que só não tinha dinheiro porque gastava tudo com sapatos), caiu em um relacionamento tumultuoso e é sexualmente livre.

Hoje temos um movimento de liberdade sexual da mulher muito mais amplo, mas isso se deve a luta constante das mulheres para saírem do papel de mãe, esposa e filha para simplesmente mulher, ponto.

A superficialidade nos problemas desenvolvidos pela série podem ser um problema, ou, como vejo, seu trunfo. Atualmente temos uma abundância de séries com temas tensos e dramáticos (The Walking Dead, Game of Thrones, House of Cards), resultados de uma época menos inocente pós atentados de 11 de setembro. Embora as séries sejam boas, é importante ressaltar que é necessário um escape dessa realidade em que o risco bate à porta a todo momento e lembrar que já houveram épocas que o medo de terroristas era não abrangia o subconsciente norte americano.

No mais, não se pode negar que a série traz momentos cômicos, simples e leves com situações cotidianas, sobre sexo e relacionamentos. Quem se importa se não é todo mundo que fica bebendo Cosmopolitan e comendo brunch toda hora com as amigas? É a leveza do diálogo que importa, não se o apartamento de Carrie é impossivelmente caro para seu emprego. O que tiro de mais importante na série é como ela aborda o sexo e o relacionamento, pois, embora o título seja Sex, trata-se muito mais das relações.

Cada personagem tem algo a acrescentar e mostra as escolhas que as mulheres podem ter. Não é problema algum ser bela, recatada e do lar como Charlotte deseja ser, também não é problema nenhum ser sexualmente liberal como Samantha, as duas vivem no mesmo universo e ambas estão satisfeitas com suas escolhas.

Devo dizer que o final da série não é exatamente o que ela prega desde o início (todo mundo acaba feliz para sempre como casal), mas como na vida, nem sempre a protagonista escolhe um príncipe encantado ou se resolve sozinha. Vejo muitas pessoas falando que querem ficar sozinhas, não sei se é verdade, mas não tem problema admitir que se quer um companheiro ou companheira. É o poder de escolher que seria a premissa da série. Fico feliz que nos filmes Samantha se assume pelo que é, uma mulher que se ama acima de tudo e decide ser feliz como é, sem o príncipe encantado.

Enfim, Sex and the City tem muitos defeitos, mas também tem muitos acertos. Se você não se preocupar com a vida financeira das personagens nem se atentar muito para o quão humanamente egoísta Carrie é, indico como forma de alívio para momentos tristes, principalmente se você acabou de sair de um relacionamento.


Nota: 





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Recebendo com charme (Queijo Camembert)

Às vezes nós queremos receber visitas em casa e queremos parecer um pouco mais...como dizer...refinados.
É claro que nem sempre temos tempo de planejar e comprar um banquete para receber aquela visita com charme. É por isso que pensando nisso decidi compartilhar uma de minhas dicas infalíveis, o queijo Camembert. Este "queijo branco mole", cujas características principais são a casca branca aveludada, o interior cremoso e aromas e sabores que lembra cogumelos é uma maravilha.
Com uma textura cremosa e sabor suave, o Camembert, além de delicioso, é super prático e fácil de preparar, levando apenas 10 minutos para ficar no ponto macio quase derretido.
Podemos servi-lo com mel ao final de uma refeição, como petisco com torradas etc.  
Essa maravilha ainda harmoniza com cervejas no estilo Lagers e Pale Ales, além de harmonizar bem com vinhos brancos e espumantes ou vinhos tintos mais leves.





Charlotte Royale - LOW CARB

Assisto Bake Off Brasil religiosamente. Todo sábado (e terça-feira no H&H) estou a frente da TV para ver as delícias (que não posso comer porque estou de dieta). Por isso quando tenho a oportunidade, tento adaptar a receita para que eu possa comer sem muita culpa (e com moderação). Dessa vez fui agraciada com a receita da Carol de Charlotte Royale e decidi fazer um experimento que deu muito certo!
É claro que não fica 100% igual, até porque é a primeira vez que faço uma Charlotte, mas fiquei feliz com o resultado. Basicamente o que eu fiz foi substituir alguns ingredientes da receita da Carol Fiorentino.

Detalhe: fiz meia receita (não queria desperdício caso não desse certo)





Para o pão de ló de chocolate, você vai precisar de:
- 3 ovos - 95 g de farinha de Coco* (A principal característica desse alimento é que ele mistura fibras com gorduras.) ou Oleaginosa. - 35 g de Cacau em pó - 75 g de Adoçante culinário - 75 ml de água - 1 colher de chá de fermento em pó
Como preparar:
Bata …

About Love and Hate na internet

Desde de 1847 há estudos sobre Haters e Bullying, só não sabiam o que era internet, mas a psicologia por trás já estava clara.
O Bullying é um tipo de inveja a qual quem pratica busca por algo. Às vezes ele percebe o objeto de bullying como alguém espetacular, brilhante, e quer participar dessa grandeza, quer um pouco desse brilho, se ele consegue participar, ele ama, se não ele odeia. (The Diary of Søren Kierkegaard (public library
O Hater quer brilhar, porém não acredita que pode fazer isso por mérito próprio. Dessa forma, ele busca por meio de comentários fortes validar a sua sensação de mediocridade que tanto o machuca, sua falha em ser bem sucedido se traduz em tentar invalidar o sucesso do outro. Se ele grita e é ouvido , ele se sente validado em suas limitações e isso alivia o sentimento de fracasso. Essa é a forma dele lidar com as frustrações da vida, foi assim que aprendeu e para ele é a norma, não ocorre pensar diferente.
O interessante é ver que a questão de desejar o b…