Pular para o conteúdo principal

Esquadrão Suicida



Antes de mais nada, quero deixar claro que sou fã tanto da DC quanto Marvel, portanto todo e qualquer comentário sobre esse filme é pura opinião sobre o filme, e não uma puxação de saco da Marvel, mas vamos lá.

Depois de mais de um ano de expectativa, vários trailers magníficos, trilha sonora cativante e uma estréia super aguardada, o filme Esquadrão Suicida mostra que a DC ainda não conseguiu encontrar seu caminho no mundo cinematográfico. Todo esse clamor em cima do potencial do filme, ao final, acabou deixando-o um tanto morno.

O filme seria muito bom, não fosse problemas básicos de roteiro, desenvolvimento de personagens e uma montagem um tanto bagunçada. O início do filme não demora a trazer a ficha completa de cada vilão, mas fica claro que qualquer trabalho de desenvolvimento de personagem ficou focado no Pistoleiro (Will Smith) e na Arlequina (Margot Robbie), os atores mais conhecidos do longa. De certo, ambos são os melhores personagens no filme, mas fica muito claro que o cachê do Will Smith ditou seu protagonismo que acabou eclipsando os personagens restantes como Magia, Crocodilo e até mesmo o Coringa, a grande promessa do filme.

A boa parte é que Arlequina de Margot é muito interessante, tem um desenvolvimento legal e mostra claramente o abuso sofrido pela personagem pelo seu Pudim. Ela é a imagem clara, viva, colorida de uma mulher abusada por seu companheiro. Amanda Waller, vivida pela magnífica, gloriosa, poderosa Viola Davis, também apresenta uma personagem forte, interessante e é basicamente quem faz a coisa toda andar.

O Coringa de Jared Leto fica um tanto deslocado em meio ao desenvolvimento de tantos personagens do esquadrão. Ele aparece pontualmente em alguns momentos, mas sempre conectado à Arlequina. O ator causou tanto nas filmagens e nas entrevistas etc, e acabou ficando esquecido no filme.

No quesito vilão, a história traz ao universo DC um mundo místico por meio de Magia (Cara Delevingne) uma criatura mística que possui o corpo da arqueóloga June. Também não vi grande atuação de Cara, bem como poderiam ter dado mais emoção e credibilidade em seu relacionamento com Rick Flag.

No todo, é perceptível que após a recepção negativa a Batman Vs Superman tentaram mudar o tom do filme.Ocorre que isso foi feito sem muita responsabilidade, o que acabou deixando o longa um tanto perdido. Acredito que a exposição do filme também foi tamanha que quando cheguei ao cinema, mais da metade das tiradas da Arlequina foram gastas no Trailer, a surpresa ficou por conta da complexidade da vilã, que demonstrou momentos de grande força e momentos de grande fragilidade.

No geral temos um filme que entretém mas que claramente não era o produto original do diretor, nem a proposta da DC à época do primeiro trailer. É um filme que é bom, mas não chega a ser muito bom por conta da desproporcionalidade entre as narrativas de cada personagem. As novidades ficam por conta da aparição do Batman, bem como de um dos heróis da Liga.

Não é um filme ruim, é um filme bom mas que não atinge a grande expectativa construída ao longo do ano.


TEM CENA PÓS CRÉDITOS. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Recebendo com charme (Queijo Camembert)

Às vezes nós queremos receber visitas em casa e queremos parecer um pouco mais...como dizer...refinados.
É claro que nem sempre temos tempo de planejar e comprar um banquete para receber aquela visita com charme. É por isso que pensando nisso decidi compartilhar uma de minhas dicas infalíveis, o queijo Camembert. Este "queijo branco mole", cujas características principais são a casca branca aveludada, o interior cremoso e aromas e sabores que lembra cogumelos é uma maravilha.
Com uma textura cremosa e sabor suave, o Camembert, além de delicioso, é super prático e fácil de preparar, levando apenas 10 minutos para ficar no ponto macio quase derretido.
Podemos servi-lo com mel ao final de uma refeição, como petisco com torradas etc.  
Essa maravilha ainda harmoniza com cervejas no estilo Lagers e Pale Ales, além de harmonizar bem com vinhos brancos e espumantes ou vinhos tintos mais leves.





Charlotte Royale - LOW CARB

Assisto Bake Off Brasil religiosamente. Todo sábado (e terça-feira no H&H) estou a frente da TV para ver as delícias (que não posso comer porque estou de dieta). Por isso quando tenho a oportunidade, tento adaptar a receita para que eu possa comer sem muita culpa (e com moderação). Dessa vez fui agraciada com a receita da Carol de Charlotte Royale e decidi fazer um experimento que deu muito certo!
É claro que não fica 100% igual, até porque é a primeira vez que faço uma Charlotte, mas fiquei feliz com o resultado. Basicamente o que eu fiz foi substituir alguns ingredientes da receita da Carol Fiorentino.

Detalhe: fiz meia receita (não queria desperdício caso não desse certo)





Para o pão de ló de chocolate, você vai precisar de:
- 3 ovos - 95 g de farinha de Coco* (A principal característica desse alimento é que ele mistura fibras com gorduras.) ou Oleaginosa. - 35 g de Cacau em pó - 75 g de Adoçante culinário - 75 ml de água - 1 colher de chá de fermento em pó
Como preparar:
Bata …

13 Reasons Why (Os Treze Porquês)

Aviso: Não é uma série indicada para todos. Devo aconselhar que pessoas com depressão e passando por problemas mentais não assistam em vista do momento delicado em que se encontram e em razão do tópico delicado que é o suicídio.

13 Reasons Why é uma série produzida por Selena Gomez, escrita pelo vencedor de um prêmio Pulitzer, Brian Yorkey e baseada no romance best seller de Jay Asher e tem como protagonistas Dylan Minnette e Katherine Langford.
Sinopse Após o suicídio de uma colega da escola, Hannah Baker, Clay encontra na porta de sua casa um misterioso pacote. Ao abri-lo, encontra várias fitas cassete e aos ouvir das gravações, se da conta de que estas estão sendo narradas por Hannah. Nas fitas, a garota descreve as 13 razões que a levaram ao suicídio e ainda menciona que Clay está em uma delas.
A série foi disponibilizada na íntegra pela Netflix no dia 31 de março de 2017.
Maratonei a série e me arrependi. Não porque não é boa, a verdade é que ela é excelente no que propõe, e aí e…